Summer Carnival '92: Recca (NES)

terça-feira, 9 de abril de 2013 Postado por Tristan.ccm




Gênero: Shooting / Ação


Fabricante: KID / Naxat Soft


Lançamento: 1992


Jogadores: 1 player





Todo mundo que assistiu ao filme "O Gênio do Videogame" deve ter imaginado o quão foda deveria ser participar de um campeonato de games como o que o filme mostrava. Nos EUA e no Japão realmente existiram vários campeonatos (não tão grandiosos como o do filme, é óbvio), e um deles era o Summer Carnival, resposta da Naxat Soft aos famosos torneios promovidos pela Hudson. A Naxat Soft, no entanto, não utilizava games famosos, preferia desenvolver jogos exclusivos para os torneios, geralmente shooters utilizando o Turbografx 16. No entanto, em 1992, ela decidiu criar não um jogo, mas dois, e para plataformas diferentes: o Turbografx ganhou Alzadick e o NES pela primeira vez ganhava espaço no Summer Carnival com um jogo que faria história: Recca.

O nome do jogo significa "fogo flamejante" em japonês, e é um nome apropriado, pois parecia que o NES ia pegar fogo, tamanha a exigência que o jogo fazia dele! Logo na segunda fase você vê efeitos dignos do Mode 7 do SNES, coisa impensável para um surrado hardware de 8 bits que já agonizava. O jogo tem gráficos simples, porém bem feitos e fluidos. A quantidade de inimigos na tela é gigantesca, e se você não estivesse tirando leite de pedra para sobreviver em meio à saraivada de tiros teria tempo para se perguntar como um console que entrava automaticamente em slow-motion com três inimigos na tela em Megaman 1 fazia para manter 60 frames constantes com os 325482 inimigos/tiros/raios simultâneos de Recca. A velocidade do jogo beira o insano, inclusive o chefe final é tão veloz que lembra um dos chefes de Metroid Fusion, um game dez anos mais velho! Sem sombra de dúvidas a KID fez o jogo que melhor aproveitou o hardware do Nintendinho.

A jogabilidade não fica atrás, sua nave responde aos comandos muito bem. Você tem à disposição dez tipos de tiros, divididos entre tiros principais (azuis) e secundários (vermelhos), cada um comandado por um botão do gamepad e ambos com autofire (resumindo: afunde o dedo nos dois botôes ao mesmo tempo e esqueça). O tiro principal carrega uma espécie de escudo se não for utilizado, e ele serve de "bomba salvadora", destruindo tudo quando liberado. Porém, a regra de "um tiro mata" vale em Recca, e pela quantidade de coisas matadoras simultâneas na tela você deve ter ideia de quanto esse jogo é difícil. Graças a São Myiamoto existe um código de vidas infinitas, senão esse seria um jogo que ninguém finalizaria sem save state, ainda mais por ele não ter continues.

Mas nenhuma descrição de Recca seria completa sem falar de sua trilha sonora matadora. Se você é daqueles que, como eu, adora trilhas sonoras eletrônicas como a da série Streets of Rage, vai amar a trilha desse jogo. Ela, inclusive, foi lançada em CD no Japão com tiragem limitadíssima (CD este que é disputado a tapa por colecionadores, assim como o cartucho igualmente raro do jogo). As músicas do jogo são daquelas que você não estranharia se ouvisse na balada, exigindo o máximo do processador de áudio do NES.

O único defeito do jogo foi ter sido lançado com o mesmo nome com que era conhecido no Japão, e no fim da vida do NES. Imagine que você é dono de um NES em 1992 (coisa comum no Brasil mas rara no resto do mundo), e vê na prateleira um jogo chamado "Carnaval de Verão 92". Nunca que você associaria um nome desses a um "bullet hell shooter". Isso fez com que o jogo vendesse muito pouco, e fosse esquecido por muito tempo. Em 2002, a revista especializada japonesa Used Games fez um review do jogo enaltecendo suas qualidades, e logo os jogadores começaram a escavar sebos e sites de venda em busca do jogo, o que o tornou o hoje mais caro cartucho de NES (duvida? Olha isso!). Mas eu digo a vocês que ele vale o que custa, pois é um jogaço! Uma verdadeira joia rara do NES, que o tempo resgatou e redimiu.


NOTA FINAL: 9,8
RECCA PODE SER CONSIDERADO O MELHOR JOGO DESCONHECIDO DA HISTÓRIA. UM SHOOTER PRA NINGUÉM BOTAR DEFEITO, DESAFIADOR E DIVERTIDO. TALVEZ SEJA O ÚNICO GAME DE 900 DÓLARES QUE VALE O QUE CUSTA!
Plataforma:


Comente com o Facebook: